Em quem você pensa quando olha para o céu?

[googlefont font=”Playfair Display” float=”none” line_height=”1″ size=”18px” margin=”10px 0 20px 0″ color=”#f36767″ align=”left”]Leia o texto abaixo ao som de Cat Stevens Father And Son.[/googlefont]

[vc_video link=”https://www.youtube.com/watch?v=b-7c4VNGOgU”]

 

Pessoas partem sem a nossa permissão, sem nenhum aviso prévio, sem termos a mínima chance de dizer adeus. Após um breve piscar de olhos, elas já se foram…

Por descuido, acaso ou destino, algumas caminham em busca de outros sonhos ou querem um gosto exótico de beijo. Desapegam do comodismo e procuram aventuras diferentes, daquelas memoráveis que nunca vivenciariam se continuassem onde estavam. Deixam tudo para trás e se apegam em novas coisas, novos amores, novos lugares. Se esquecem do passado, de suas origens, de quem mais os amou, mas que não receberam tanta consideração recíproca. Enquanto tantas outras, param no tempo e reclamam de tudo o que um dia passaram e que não vai mais acontecer, mesmo que essa seja a maior vontade.

Outras pessoas, sem mais nem menos, se encontram com a morte. É como dizem: “Partem dessa para uma melhor, descansam em paz”. Essas deixam uma saudade que não pode ser curada, e nem sequer mencionada, pois a dor aumenta a cada dia que passa.

Mantenha a calma, quando você se tornar o escravo das suas lembranças.

Não sei qual das duas partidas é a pior, apesar de serem parecidas: a morte que leva, sem nunca mais trazer de volta, ou a partida por vontade própria de alguém, cortando todos os laços existentes, mortificando tudo o que um dia era bom e que não vai mais voltar. Pode até ser que volte, mas não daquele jeito, não como sempre foi. É aquilo que dizem: “Nada acontece duas vezes do mesmo jeito”. E caso volte a acontecer, sempre trará as lembranças de uma outra época que existiu.

Sobre a morte, ao menos, sabemos que não tem como desfazer, não temos porque manter as esperanças. Então, concluo, que pior é a partida por vontade própria de alguém, que deixa a esperança de ainda voltar, de uma outra época, que deixa uma saudade agoniada em um coração repleto da falta desse alguém.

Hoje me dei conta que somos instantes e que a vida é mais frágil do que parece…

Nem todos os anjos voam por aí, sem saber onde pousar, sem saber onde parar, sem destino ou propósito. Às vezes, eles estão parados ao nosso lado ou caminham de mãos dadas, mas não percebemos. Nem todos eles possuem asas, mas ainda assim, conseguem nos fazer voar muito mais longe, seja em sonho ou na imaginação.

Alguns anjos existem apenas para guardar nossos segredos, outros para nos livrar dos nossos medos. Muitos existem para curar as feridas que assolam os nossos corações, alguns para ajudar o tempo a cicatrizar as marcas que levamos na alma. Alguns deles existem, inclusive, para tornar as coisas mais leves, para nos ajudar a manter a espiritualidade diante dos dias mais pesados. Outros anjos existem para serem companheiros e nos guiar para onde quer que estejamos indo, outros para serem nossos melhores amigos.

Não importa onde estiverem voando, eles não esquecem de nós e não nos abandonam em hipótese nenhuma. Por instantes eles voam para longe, mas voltam ainda mais abençoados. E sempre nos trazem um grande presente: um abraço mais forte, um sorriso mais iluminado, a palavra mais confortante ou o conselho mais carinhoso. Nem todos os anjos são loiros de olhos azuis, muitos deles têm apenas o dom de nos fazer sorrir. São eles, que nos proporcionam toda a força necessária para sempre seguirmos em frente.

Obrigada, meu anjo da guarda!

Aonde quer que você esteja, quero que saiba que ao fechar os olhos, os meus pensamentos se elevam para o seu mundo. Rodeada de boas recordações, eu me transfiro para o seu mundo e te dou aquele abraço forte, como costumávamos dar. Eu quero que você se orgulhe cada vez que olhar para baixo, pois eu me encho de amor quando admiro as estrelas ou agradeço pelo brilho do sol que irradia na minha alegria contínua.

Não vou dizer que é fácil viver sem você, mas eu tenho aprendido lidar com isso da melhor forma possível. Encontrei maneiras de te manter por perto, não fisicamente, mas latejante dentro de mim. Em alguns períodos, a sua falta parece rasgar o meu peito, mas eu tenho ocupado o meu tempo fazendo coisas que me distraem. Eu não quero te esquecer, e sei que nunca vou conseguir. Mas eu compreendi que a vida segue, e ela continua me cobrando responsabilidade de gente grande. Não podendo tropeçar no primeiro obstáculo, eu me reergo a cada tombo só para me tornar a pessoa que vai te orgulhar no amanhã.

Eu quero te agradecer por ter escrito a minha história.

Parece clichê, mas só temos uma vida e um tempo muito curto para buscarmos essa tal de felicidade, que não sabemos onde está. Ou sabemos tão bem, que não damos o valor necessário que ela merece. Mas que começaremos a dar priorizar hoje, não deitando em nossas camas ser fazer uma pessoa sorrir, começando por nós mesmos.

Eu morro e revivo com saudade de você.

Mas não se preocupe, eu ficarei bem…

Olhe sempre por mim!

Amém!

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Recomendados para você

Receba textos novos no seu e-mail!